Tenha medo do desconhecido, mas vá assim mesmo!

As mudanças, por diversas razões, podem gerar algum nível de sofrimento nos seres humanos. Não é à toa que são tão temidas. Mas e daí? Quem disse que, para se construir uma vida plena e cheia de aromas e texturas, tudo seriam flores? Além do mais, se você está sonhando, a todo instante, com tudo o que poderia ser caso escolhesse mudar, provavelmente já esteja sofrendo.

Então, em vez de questionar como seria se tudo fosse diferente, vale a pena inverter a pergunta: Se tudo permanecer igual, como vou me sentir? Talvez a questão o ajude a se posicionar de maneira diversa quanto àquilo que o assusta.

Acontece, porém, que nem todos decidem enfrentar seus temores. Há pessoas, por exemplo, que escolhem não mudar por desconhecerem o que irão encontrar do outro lado. Isso as leva a permanecer num relacionamento por mais tempo (mesmo que já tenha terminado), a  não mudar de trabalho, de cidade, de hábitos; por aí vai.  Trata-se de medo do desconhecido. Isso lhe é familiar?

peixe_aquario

Existem, ainda, os que decidem não mudar por recearem que algumas de suas particularidades sejam evidenciadas nesse processo de transformação. Isso porque as mudanças deixam à mostra aquilo que é varrido para debaixo do tapete, como falhas e dificuldades internas. Assim, eles têm medo de mostrar fragilidade ou insegurança, de sofrer, ou até mesmo de reconhecer a própria força e coragem.

A parte boa nisso tudo é que, se você encarar tais temores, vai descobrir que o sofrimento é menor do que imaginava, que tem mais força do que pensava, e que aquilo que acreditava não conseguir se tornou uma boa história para contar. Nesse processo, provavelmente terá conhecido pessoas com perspectivas bem diferentes das suas, desenvolvido novas habilidades e competências, ou até mesmo encontrado uma nova causa para abraçar.

O que pode acontecer depois de tudo isso? Você começar a abrir espaço na sua mente para se enxergar maior e perceber que pode cuidar de si mesmo – necessidades, desejos e fragilidades – e, assim, vai se tornando inteiro.  O medo faz parte do ser inteiro e ele ajuda a ficar atento a situações que são danosas para você.

Então, se der medo, vá com medo mesmo! Vá!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *